UFJF: Ex-reitor é demitido e ex-pró-reitor perde aposentadoria

Ministério da Educação (MEC) culpou o ex-reitor da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Henrique Duque, com base no relatório final da Comissão de Processo Administrativo Disciplinar instaurada pelo MEC para apurar fraudes em licitações na universidade.

As fraudes foram apontadas na Operação Acrônimo, da Polícia Federal, já a decisão foi publicada nesta segunda-feira, 15, no Diário Oficial da União.

Conforme a publicação, Duque exercia o cargo de professor e será demitido da UFJF por improbidade administrativa, corrupção e valimento de cargo. Além disso, ele foi penalizado com restrição de exercer cargo público federal por cinco anos.

ofertas chevrolet carro novo

Ainda na publicação, o MEC considerou culpado por valimento de cargo e improbidade administrativa o ex-pró-reitor de Insfraestrutura, Carlos Barral. A pena é a cassação de aposentadoria e restrição de retorno ao serviço público por cinco anos.

Em contato com a nossa reportagem, a defesa do ex-reitor, o advogado Lucas Sampaio disse que recebeu a decisão do MEC com surpresa porque Duque foi absolvido sobre o assunto perante a justiça. Ele explicou que não teve acesso ao conteúdo e vai recorrer da decisão.

A Itatiaia não conseguiu contato com a defesa de Carlos Barral.

Por meio de nota, a UFJF informou que não foi avisada pelo MEC do resultado do processo administrativo.

radio ao vivo mais ouvida em jf
-