Bispo mais velho do Brasil morre aos 101 anos em Juiz de Fora

Compartilhe

A Arquidiocese de Juiz de Fora informa o falecimento de Dom Antônio Affonso Miranda, Bispo Emérito da Diocese de Taubaté (SP), que ocorreu na manhã desta segunda-feira, 11, no Hospital Albert Sabin, em Juiz de Fora, onde estava internado.

Dom Antônio tinha 101 anos e era o bispo mais idoso do Brasil.

O sepultamento será nesta terça, 12 de outubro, em Mercês (MG). O horário ainda será definido.

O Arcebispo Metropolitano de Juiz de Fora, Dom Gil Antônio Moreira, divulgou uma nota de pesar. na qual louvu a santa memória e agradecer a Deus pelos seus extraordinários serviços prestados à Igreja, como bom Sacramentino de Nossa Senhora e como Bispo dedicado e fidelíssimo.

Segundo informações da assessoria de Dom Antônio ao site da Canção Nova, ele viveu de forma saudável e lúcida até os 100 anos de idade. Em 4 de novembro passado, sofreu uma queda no seu quarto. Foi socorrido e internado no Hospital Albert Sabin, onde passou por uma cirurgia para reconstituição do fêmur fraturado. O bispo teve uma rápida recuperação e, tendo alta, retornou para casa, em Mercês.

Passados dez dias, Dom Antônio sentiu-se mal, sendo novamente transferido para o mesmo hospital. Seu estado de saúde, inspirando maiores cuidados, fez com que fosse internado no Centro de Terapia Intensiva. Desde então, viu abalado o seu estado de saúde, não chegando a recuperar-se totalmente.

Dom Antônio é mineiro de Cipotânea, cidade famosa por ser berço de mais de 60 padres e cinco bispos no período de menos de 100 anos. Nasceu em 14 de abril de 1920. Mudou-se com a família para Mercês (MG) em 1929.

Foi ordenado sacerdote em 1º de novembro de 1945. Como padre, dirigiu os seminários do Bom Jesus, em Manhumirim, e São Rafael, em Dores do Indaiá, onde também foi pároco por 16 anos em três diferentes períodos.

Em 8 de novembro de 1971, teve a sua nomeação de bispo de Lorena (SP). Entre as grandes realizações do seu primeiro governo diocesano, registra a fundação da Comunidade Canção Nova, que se tornou o maior complexo católico de comunicação do mundo. Chamou o Padre Jonas Abib e o designou para um trabalho de evangelização junto à juventude tendo como púlpito os meios de comunicação.

Em 1977 foi transferido para a Diocese de Campanha (MG) e, de lá, para Taubaté (SP).

Era jornalista e advogado, formado pela Universidade Federal do Espírito Santo. Membro da Academia Taubateana de Letras, era Cidadão Taubateano, título que lhe foi concedido em 3 de março de 2006. Estava vivendo em Mercês, junto de seus familiares.

Foto: Arquivo Pessoal – Dom Antônio